O que é kumkum e como usar a marca na testa

Kumkum é um pó de cor vermelha, usado para marcações sociais e religiosas na Índia .

Na Índia, o kumkum é conhecido por muitos nomes, incluindo kuṅkumam ( sânscrito कुङ्कुमम्), kumkuma ( telugu కుంకుమ), kunku (marathi कुंकू), kumkum ( bengali কুমকুম, hindi कुमकुम), kunkuma ( kannada ಕುಂಕುಮ), kungkumam ( tâmil குங்குமம்) e kungkumam ( malaiala കുങ്കുമം).

O kumkum é freqüentemente aplicado pelos indianos na testa. A razão tem a ver com a crença indiana de que “o corpo humano é dividido em sete vórtices de energia, chamados chakras, começando na base da espinha e terminando no topo da cabeça. O sexto chakra, também conhecido como terceiro olho, centra-se na testa, especificamente entre as sobrancelhas e acredita-se ser o canal através do qual a humanidade se abre espiritualmente ao Divino.

Esta marca na testa também é chamada de tilak, ou tilaka (comumente usado no Brasil), palavra que em sânscrito, significa marca. Estas marcas geralmente são feitas antes de uma cerimônia ou rituais religiosos (pujas), e homens, mulheres e até mesmo crianças as usam.


Onde posicionar a marca (tilak) na testa com o kumkum

A sabedoria hindu afirma que o ponto entre as duas sobrancelhas é um importante ponto nervoso. A aplicação de Tilak / Kumkum no local ajuda a facilitar o fornecimento de sangue aos músculos faciais, ao mesmo tempo que evita a perda de energia e ajuda a aliviar o stress. Além disso, a pressão na região do meio da testa (no Ajna-chakra, como é chamado esse local), resulta no suprimento de sangue aos músculos na parte da face. Este é o ponto que se acredita ser a entrada e saída da nossa jivaatma (alma), de acordo com o Dharma Hindu Sanatan*.

*Sanatana Dharma é o nome original do que hoje é popularmente chamado de Hinduísmo ou Hindu Dharma . Os termos hindu e hinduísmo são considerados um desenvolvimento mais recente, enquanto o termo mais preciso é o Sanatana Dharma . É um código de ética, um modo de viver através do qual se pode alcançar moksha (iluminação, libertação).

 

Kumkum é a mesma coisa que Sindoor?

Sindoor e kumkum, embora muitas vezes considerados iguais, são produtos diferentes. Sindoor é um pó de cor laranja avermelhado brilhante, e é derivado das sementes de uma planta chamada: Bixa Orellana.

O Kumkum (também chamado sindoor em alguns lugares, é feito usando açafrão em pó e pedra calcária (detalharemos abaixo). Também tem forte significado religioso e é aplicado geralmente em rituais para fazer a tilak na testa, e também por jovens que ainda não são casadas (explicaremos mais detalhes abaixo). Em resumo, você vai se deparar várias vezes com fontes citando “kumkum ou sindoor”, que na verdade, podem até ser unificados no termo pois são usados “quase” que com o mesmo fim. Quase, pois é mais comum ouvirmos dizer que mulheres casadas usam sindoor.

Entendendo a composição e uso do Kumkum e Sindoor

Sindoor é feito geralmente de mercúrio e cúrcuma. O principal componente do sindoor tradicional é geralmente o vermelhão (explicaremos abaixo sobre ele). 

Kumkum é normalmente feito de cúrcuma longa e outros ingredientes naturais. A cúrcuma é seca e transformada em pó, que misturada com um agente como o calcário, transforma o rico pó amarelo em uma cor vermelha, bem característica do kumkum (há outras composições que atingem o mesmo resultado, como o limão por exemplo). Algumas composições ainda leva óleo de gergelim que por suas propriedades maravilhosas para a pele, deixa o pó ainda mais adequado para uso diário (como ocorre na cultura indiana).

Sindoor é aplicado na divisão dos cabelos (chamado Maang em hindi) ou como um ponto na testa. Kumkum aplica-se na testa como tilak (há diferentes tipos de marcas, veja mais abaixo). Muitas mulheres o aplicam na testa no lugar de bindi (o bindi, ou ponto na testa, em hindi, hoje em dia é muito comum em formatos adesivos com diferentes ornamentos e pedrinhas brilhantes).

 

 


As mulheres solteiras usam o ponto na testa em cores diferentes (bindi), mas não aplicam sindoor em seu maang. 
Viúvas hindus não usam o sindoor, significando que o marido não está mais vivoO sindoor é aplicado pela primeira vez à mulher pelo marido no dia do casamento e é chamado de cerimônia de Sindoor Dana. Após este tempo, ela deve aplicar isso todos os dias a si mesma na divisão de seu cabelo. A limpeza do sindoor é muito significativa para uma viúva. A viúva quebrará suas pulseiras e também removerá seu bindi. Muitas mulheres hindus também removem o anel do nariz e os dedos dos pés. 

A divisão do cabelo com a marca simboliza o rio de sangue vermelho, cheio de vida. Quando o sindoor é removido, o rio se torna estéril, seco e vazio. Este costume é predominante nas áreas rurais e é seguido por todas as castas e classes sociais. O vermelho sindoor é significativo para a mulher casada como ela é cheia de cor. Quando ela se torna viúva, ela adota o vestido branco e remove toda a cor do rosto, incluindo o vermelho brilhante.

Métodos e estilos de aplicação do sindoor variam de escolha pessoal a costumes regionais. Muitas noivas preencherão toda a linha de cabelo com sindoor, enquanto outras mulheres casadas podem apenas aplicar uma mancha vermelha no final da linha do cabelo e da testa. Recentemente, uma forma de triângulo na testa apontando para o nariz, adicionada de um diamante bindi está na moda e está sendo usada por mulheres mais jovens.

Sindoor: a composição preocupa mulheres na Índia. Afinal sindoor é tóxico ou não?

O moderno sindoor usa principalmente o vermelhão, que é um pigmento laranja-vermelho. Vermilion (ou vermelhão) é a forma purificada e em pó de cinábrio, que é a principal forma em que o sulfeto de mercúrio ocorre naturalmente. Tal como acontece com outros compostos de mercúrio, sindoor é tóxico e deve ser manuseado com cuidado. Às vezes, o chumbo vermelho (tetróxido de chumbo, também conhecido como minium) também é adicionado ao sindoor. O chumbo vermelho também é tóxico e é um carcinogêneo conhecido, para animais de laboratório, embora a sua carcinogenicidade para os seres humanos não tenha sido estabelecida ainda como evidente. O sindoor tradicional deve ser feito com açafrão e alúmen ou cal, ou de outros ingredientes à base de plantas (mais parecido com a composição do kumkum, evitando alergias e intoxicações). Ao contrário do chumbo vermelho e do vermelhão, estes citados não são venenosos. No início de 2008, as alegações de alto teor de chumbo levaram a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) a recolher lotes de Sindoor de vários fabricantes. É muito importante ficar atento a composição e procedência dos sindoors ou kumkuns comprados, especialmente os que vendem a granel nas ruas da Índia.

 

Curiosidades sobre o real significado das mulheres hindus usarem o sindoor

Na sociedade tradicional hindu, usar sindoor é considerado obrigatório para mulheres hindus casadas (isso pode estar mudando em algumas regiões na Índia, mas a tradição ainda existe). É uma expressão visível de seu desejo pela longevidade de seus maridos. Tradicionalmente, portanto, as viúvas não usam o vermelhão.

A tradição de usar sindoor por mulheres casadas é explicada de acordo com as escrituras religiosas, que o vermelho é a cor do poder e o vermelhão representa a energia feminina de Sati e Parvati. Sati é considerada uma esposa hindu ideal porque deu sua vida pela honra de seu marido. Os hindus acreditam que a Deusa Parvati concede ‘Akhand Soubhagya‘ (boa sorte ao longo da vida) a todas as mulheres que usam sindoor em sua separação de cabelo.

Outro aspecto citado é que o sindoor é preparado misturando açafrão e mercúrio. O mercúrio controla a pressão sanguínea e ativa o impulso sexual. O sindoor deve ser aplicado até a glândula pituitária, onde todos os nossos sentimentos estão centrados.

 

Diferentes tipos de marcas na testa (tilak):

Como qualquer um que esteja familiarizado com a tradição védica sabe, muitos de seus seguidores usam marcas nas testas. Isso é chamado “tilak’ como já citamos antes. Algumas marcas de tilak são feitas com cinzas, algumas com argila ou terra, algumas são pontos vermelhos com kumkum, ou farinha de arroz tingida, ou pontos vermelhos com aplicações adicionais, como alguns grãos de arroz presos a ela.

Em qualquer caso, o propósito final do tilak é santificar-se e marcar o corpo como o templo do Senhor. As escrituras não especificam em detalhes a maneira como isso deve ser feito e, como tal, são os acharyas (Acharya é um termo sânscrito que significa “aquele que ensina por sua conduta”) que cristalizam os procedimentos, ao mesmo tempo em que aderem às prescrições gerais dadas nas escrituras.

Tilak nos rituais

Primeiramente, sem a adoração de Sri Ganesha, nenhum trabalho auspicioso deve começar. Da mesma forma, nenhum trabalho religioso deve começar sem um tilak na testa.

Chandan ou sandalpaste (pasta de sândalo), Roli, Kumkum, Sindoor ou Cinza Sagrada (ou Vibhuti) também podem ser usados ​​como Tilak.

Tilak é uma marca de auspiciosidade. Os devotos de Shiva aplicam cinzas sagradas (Bhasma) na testa, os devotos de Vishnu aplicam pasta de sândalo (Chandan), e os adoradores de Devi ou Shakti aplicam Kumkum, um pó de tumeric vermelho (cúrcuma).

Há treze lugares no corpo humano onde Tilak pode ser colocado. No entanto, é apenas na testa que é nobre. A cabeça é o ápice do corpo, com o cérebro sendo o eixo de todo o corpo. O Tilak é usado de várias maneiras por diferentes razões.  Não vamos entrar no mérito de explicar nesse post as variações e a que cada uma corresponde. Apenas a título de curiosidade, veja nesse quadro alguns exemplos:

 

Onde comprar kumkum?
A loja virtual Bazar indiano está com esse produto em estoque! Compre aqui

 

Namastê!

………………………………………………

Fotos/créditos:

https://www.indiatimes.com/lifestyle/self/7-ultra-regressive-and-sexist-customs-in-india-285128.html

https://www.indiamart.com/proddetail/annatto-seeds-9323302712.html

https://www.quora.com/Is-it-necessary-that-tilaks-are-made-of-the-traditional-materials-or-may-they-be-improvised

http://www.cinespot.net/gallery/v/South+Cinema/Actress/Nayathara/Nayantara+in+Puthiya+Niyamam+_17_.JPG.html

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *