Qual a diferença de um Japamala Indiano

Nós trabalhamos com os Japamalas tradicionais da Índia, mas especificamente da região de Vrindavan, no estado de Uttar Pradesh, norte da Índia.

A cidade é um centro sagrado da cultura hindú, região onde Krishna passou sua infância e juventude.

Há muitos templos e muita devoção em toda essa região em torno de Krishna, uma região onde podemos assistir a uma fé verdadeira, muito forte.

japamala 108 contas

Pudemos conhecer algumas cooperativas de produção de produtos tradicionais na Índia, como tapetes, pedras entre outros artefatos. Escolhemos os Japamalas dessa região por acreditarmos na energia, tanto das contas ou sementes usadas, que são clássicas, de árvores locais, como Tulasi, Rudraksha, Neem ou Rosewood, quanto na energia envolta por esse ambiente de mantras, fé e devoção.

Tradicionalmente o Japamala possui 108 contas onde cada uma representa o entoar de um mantra. Resumindo de forma simples, o entoar de mantras no aspecto psicofísico auxilia a criar um padrão de aquietação no fluxo dos pensamentos e propicia a medição. Há também aspectos devocionais onde o mantra é o poderoso som que nos conecta ao supremo e cada mantra tem poderes específicos. O mantra mais importante da cultura Hindú sem dúvida é o Om, considerado o som da criação, do absoluto.

Na Índia um japamala é um instrumento devocionais extremamente íntimo e individual. É comum ver pessoas em templos usando seus Japamalas escondidos dentro de uma pequena bolsa de tecido envolta nas mãos. Isso porque acredita-se que o Japamala é um instrumento tão sagrado e íntimo que não deva ser visto por outras pessoas.

Bead Bag para JapamalasPortanto, embora possa haver no Brasil, uma produção de Japamalas com variados tipos de pedrarias locais, produtos muito bonitos para serem usados como um acessório pendurado ao pescoço ou no pulso, nós preferimos trabalhar com Japamalas como instrumentos de medição, com sementes rústicas da Índia e que transmita todo esse sentimento de fé e devoção.

Confira nossos modelos Japamalas clicando nesse link.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *