Geometria Sagrada: Yantras para Meditação

Isso soa familiar? “Quando eu estou desfrutando da meditação e com a consciência da respiração, uso mantras, que até que são úteis, mas eu sou muito visual. Existe algum tipo de estrutura visual que eu poderia usar na minha prática que me ajudaria a ficar focado? ”

Esta não é uma pergunta incomum, mas pode ser difícil de responder. Olhando para técnicas de muitas tradições, poderíamos usar todos os tipos de imagens: thangkas do budismo tibetano (um tipo de pintura originária do Tibete), ícones cristãos clássicos, pinturas dos chakras, imagens de divindades favoritas ou mesmo velas. Podemos visualizar uma praia tranquila, uma clareira da floresta, ou um retiro sereno do Himalaia. Estes são precisamente os tipos de imagens inspiradoras que usamos para decorar nossas casas e salas de meditação. Mas aleatoriamente trazer essas imagens para a meditação não é muito útil, e pode até ser perturbador.
Felizmente, o mantra tem uma ciência irmã que lhe dá um suporte visual: a ciência do Yantra. Os Yantras são diagramas geométricos, muitas vezes compostos de um pequeno ponto rodeado por círculos, triângulos e quadrados, cada um dos quais é simbólico. Essas imagens podem ser usadas para fortalecer seu foco meditativo.

O Simbolismo de um Ponto
Vamos começar com a imagem de um ponto. Adeptos em yoga descrevem um ponto como um portal que conduz do invisível ao visível. Suponha que você está olhando para o comprimento de uma estrada de ferro em direção ao horizonte. No início você não vê nada exceto a convergência das trilhas delas mesmas. Então, na distância você vê um ponto gradualmente se tornando maior e maior. Logo você reconhece o contorno de uma locomotiva e prepare-se para saltar para fora do caminho. Fora do espaço aparentemente vazio, um objeto surgiu e gradualmente se torna um trem.

Do ponto de vista da metafísica yóguica, todas as coisas visíveis viajaram dos estados de existência não manifestados para os manifestados. Bebês, edifícios e idéias criativas surgem do invisível e tornam-se encarnados. Até a própria consciência surge do invisível, e o resultado de sua manifestação é que cada um de nós possui um senso de consciência individual.

As escrituras de yoga descrevem a consciência individual dizendo que é como uma onda que surge de um oceano de consciência pura. Os dois estão naturalmente e eternamente ligados. E em um yantra, esse vínculo entre a realidade finita e a infinita, entre consciência individual e consciência pura, é simbolizado por um ponto.

Os sábios nos recordam que é através deste ponto central que viajamos em nossa viagem meditativa da consciência individual de volta à consciência pura. O tema é encontrado no Yoga Sutra, manual clássico de Patanjali sobre o Yoga, onde ele descreve a meditação como um processo no qual aprendemos a descansar nossa consciência em um único ponto. À medida que a meditação se aprofunda, este ponto focal atua como um pivô para transformar o fluxo de atenção para dentro. Shankara, professor do século VIII, também enfatiza a importância da concentração pontual:

“A obtenção de uma pontualidade da mente e dos sentidos é a melhor das práticas. É superior a todos os outros dharmas e todas as outras práticas”. -Upadesa Sahasri 17:24

Para praticar um ponto, tente usar esta imagem para apoiar sua concentração. Visualize uma lagoa com uma superfície tão imóvel que não tem nem a menor ondulação visível. Se uma bolha de ar flutuasse do fundo e quebrasse a superfície da água, criaria um padrão circular de pequenas ondas que se espalhariam suavemente pelo lago inteiro. Esta lagoa é sua mente. À medida que sua mente se torna silenciosa na meditação, sua superfície se torna mais e mais ainda.

Na meditação do mantra, imagine descansar no ponto exato em que o objeto de sua concentração, seu mantra, primeiro se eleva para a consciência. O mantra, neste caso, é a bolha, subindo para a superfície da consciência. Sua atenção repousa no som do mantra no ponto em que ele atinge pela primeira vez a superfície de sua mente consciente. As ondulações desse som se espalharam por sua mente, mas você não está atendendo aos seus movimentos nem às idas e vindas de outros pensamentos. No que diz respeito a qualquer atividade mental diferente do som do mantra, simplesmente não faça nada. Uma vez que você se estabeleceu em seu mantra usando a imagem visual, deixe a imagem ir e simplesmente continuar descansando no mantra, no ponto, no centro de sua mente. O espaço de sua mente consciente estará cada vez mais cheio e unido ao som do mantra.

Como meditar com Yantras 
UmYantra por si só não representa nada. Só quando é despertado pela concentração mental e meditação o processo de ressonância acontece e as energias benéficas macrocósmicas se manifestarão no microcosmo do praticante.

O ideal é que seja pendurado de frente para o Norte ou Leste. O centro do Yantra de estar no nível dos olhos. Sente-se na postura que preferir, mas mantenha a coluna ereta. Respire pelo nariz e pela boca, sem forçar, deixe que o fluxo de ar aconteça normalmente.

Olhe para o centro do Yantra, tente piscar o mínimo possível. Não repare nos detalhes particulares do desenho, apenas mantenha o foco no centro e observe o Yantra inteiro de uma vez

Este exercício deve durar pelo menos 15-30 minutos todos os dias. A experiência será indescritível.

Triângulos e Trindades
O número arquetípico três, entretanto, é significado no sistema Yantra pela forma de um triângulo. Os três pontos que formam os ângulos do triângulo representam qualquer número de trindades, como início, meio e fim. Sujeito, objeto e meios de conhecer. Brahma, Vishnu e Shiva. Passado, presente e futuro. Terra, céu e mar. Ou ação, e meios de executar a ação.

Entre as mais importantes trindades iogues estão as três gunas – as três qualidades ou “vertentes” das quais o universo é tecido e que permeiam todos os aspectos da realidade manifesta. Eles têm os nomes sânscritos sattva (luz), rajas (movimento) e tamas (escuridão), e interagem uns com os outros para criar permutações infinitas que são as formas ilimitadas de matéria e mente. Por exemplo, a personalidade humana consiste em um corpo (o elemento tamásico da personalidade), energias internas (o elemento rajásico da personalidade) e uma mente (o elemento sátvico da personalidade), enquanto estados temporais da mente podem ser tamásicos (Preguiçoso), rajásico (cheio de desejo e agitação), ou sáttvico (equilibrado, tranquilo). E assim é com tudo.

O poder da criação, cuja natureza encarna essas três qualidades, é denominado Shakti (poder, energia). Seu consorte, consciência pura, é chamado Shiva (auspicioso, benevolente). Seu relacionamento às vezes é simbolizado colocando um ponto (Shiva) dentro de um triângulo (Shakti). É a união destes dois princípios que permeia toda a criação na forma de uma alegria profunda e duradoura.

Os triângulos que apontam para baixo representam a graça divina. Eles também representam soma, alimento para os fogos da vida.
Os triângulos podem apontar para cima ou para baixo. Aqueles apontando para cima indicam energia crescente e movimento ascendente no corpo humano. Representam aspiração e esforço. Eles também representam fogo porque se assemelham a formas ascendentes das chamas. No centro do coração, estes triângulos ficam sob a forma de dois triângulos entrelaçados, o triângulo voltado para cima relacionado a Shiva e o triângulo de Shakti, que está voltado para baixo, cheio de graça benevolente.

O corpo como Yantra
Quando você se senta para a meditação em qualquer das poses de pernas cruzadas, você pode ver formas triangulares em seu próprio corpo. Os dois joelhos e a base da coluna vertebral criam uma base triangular, e todo o corpo forma um triângulo apontando para cima também. Uma análise mais elaborada das formas triangulares ascendentes do corpo a retrata como um tetraedro, um sólido geométrico de quatro lados.

Estas e outras imagens yântricas podem ser encontradas no corpo quando está em uma postura meditativa. Um ser humano é a personificação de um Yantra. Quando você está sentado em uma pose meditativa de pernas cruzadas, você é a imagem visualmente retratada pelo Yantra.

 

………………………………………………..
Texto de autoria de Rolf Sovik (traduzido por Bazar Indiano – pode conter pequenas adaptações de palavras)
Presidente e diretor espiritual do Himalaia Institute e um psicólogo clínico em consultório particular, Rolf Sovik estudou yoga nos Estados Unidos, Índia e Nepal. É formado em filosofia, música, estudos orientais e psicologia clínica. Ex-Co-Diretor do Instituto Himalayan de Buffalo, NY, ele começou sua prática de yoga em 1972, e foi iniciado como um pandit na tradição do Himalaia em 1987.

Trecho “Como meditar com Yantras”: Fonte: http://www.radiovivazen.com.br/blog/materias/o-poder-dos-yantras

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *