Rajmata Gayatri Devi: Forte e bela, ela não teve medo de desafiar a sociedade hindu e viver a vida em seus próprios termos

Se a vida de Rajmata Gayatri Devi tivesse que resumir em poucas palavras, seria inquestionavelmente: “extraordinário”. Uma das Maharanis* mais modernas, independentes e chiques da Índia, Gayatri Devi teve o tipo de vida que qualquer biógrafo mataria para escrever um livro. Ela pode ter nascido em meio a enorme riqueza, mas Gayatri Devi escolheu usá-la para ajudar os necessitados. As mulheres a respeitavam e a idolatravam. Apesar de ser um símbolo do passado feudal da Índia, ela decidiu ser uma participante ativa na democracia indiana.

Conheça um resumo dessa belíssima história de uma das mulheres mais fortes e influentes da Índia:

Etnicamente nascida em uma família hindu Koch Rajbongshi , seu pai, o Príncipe Jitendra Narayan de Cooch Behar (Dinastia Koch de) Ancient Assam) , era o irmã mais nova do Yuvaraja (Príncipe Herdeiro). Sua mãe era a princesa de Maratha Indira Raje de Baroda , a única filha de Maratha King, Maharaja Sayajirao Gaekwad III , uma princesa extremamente bonita e lendária na Índia.

Gayatri Devi estudou na Glendower Preparatory School em Londres, Patha Bhavana da Universidade de Visva-Bharati , Shantiniketan  e mais tarde em Lausanne, na Suíça, onde ela viajou com sua mãe e seus irmãos, depois estudou habilidades de secretariado na Escola de Secretários de Londres; Brillantmont e Monkey Club London.

Gayatri Devi foi incluída na lista de dez mulheres mais bonitas da revista Vogue.

Amor e casamento
Ela tinha apenas 12 anos quando conheceu o Maharaja de Jaipur, de 21 anos de idade, o Sawai Man Singh II.
O príncipe já tinha duas esposas, essencialmente por razões políticas, mas em 1940 o casal chocou a sociedade de sangue azul anunciando seus planos para se casar.
O Maharaja teve quatro filhos com suas duas primeiras esposas, e com ela, sua terceira esposa, ele teve um filho, Jagat.

  
Ser a terceira esposa do Maharaja de Jaipur não era um feito fácil. Ela ajustou-se à vida de formalidades e restrições. Mas não se aborreceu, ela trouxe as mulheres do palácio para a frente de suas vidas limitadas, com sua autoridade.
Ao contrário das outras esposas, ela se recusou a ser confinada através do “Purdah” (prática de impedir as mulheres de serem vistas pelos homens que não sejam seus parentes diretos).

Ela rejeitou a tradição do purdah e o ostracização das mulheres no país. Ela não se limitou apenas à vida de opulência e conforto que ela teria tido como rainha, mas optou por trabalhar pelas causas que ela gostava . Durante a guerra, ela realizou diferentes tipos de guerra. Em 1943, ela abriu a Escola Gayatri Devi para Meninas com 40 alunas e uma professora de inglês, que passou a ser conhecida como uma das melhores escolas da Índia.

Interesses e política
Após a independência da Índia e a posterior abolição dos estados principescos, ela tornou-se uma política extremamente bem-sucedida.

Ela permaneceu ativamente envolvida na política e se juntou ao Partido Swatantra, que se formou como uma oposição ao governo do Congresso quando Rajasthan se tornou um estado.
Consequentemente, ganhou sua primeira eleição em 1962 contra um candidato ao Congresso por uma avalanche de votos, garantindo uma maioria de 175 mil votos que lhe renderam um lugar no The Guinness Book of Records.
Ao ouvir sua conquista, o presidente John F. Kennedy apresentou-a como “a mulher com a maior vantagem em votos que alguém já ganhou em uma eleição”.

Ela continuou a ganhar seu assento novamente em 1967 em seu distrito eleitoral. Mas as coisas começaram a sucumbir quando o Partido do Congresso apresentou um projeto de lei para abolir as bolsas e os privilégios de sua família e a mesma teve que escapar para a Inglaterra. A tragédia atingiu Gayatri quando Man Singh, seu marido morreu depois de um mês, tornando-a Rajmata, a Rainha Mãe. O filho mais velho de Man Singh, com sua primeira esposa, o Coronel Bhawani Singh foi declarado o Maharaja.

Prisão em Tihar Jair em 1975
Ainda sofrendo pelo amor de sua vida, Rajmata Gayatri Devi foi persuadida a defender seu terceiro mandato no parlamento em 1971, que foi o ano em que o príncipe foi finalmente “desreconhecido”.
Esta mudança na constituição trouxe uma vida dura para a Rajmata e seu enteado quando, em julho de 1975, ambos foram presos na prisão de Tihar, embora nunca tenha havido acusações graves contra eles.

Seis meses de prisão, Gayatri continuava forte e inabalável, mas nem tanto sua saúde. Internada em um hospital, ela finalmente foi liberada em liberdade condicional, mas o trauma que ela atravessou não foi suficientemente grande para abalar seus propósitos e amor pela vida.

Força e irreverência no DNA das mulheres da família
“Ela veio de uma família, onde as mulheres eram ferozmente independentes”. De fato, Lucy Moore, historiadora e escritora, conta em seu livro, Maharanis: The Extraordinary Tale of Four Indian Queens, as histórias de vida de três gerações de maharanis: Chimnabai, (avó de Gayatri Devi) que se recusou a viver confinada e entrou no mundo dos homens, sua filha Indira, (mãe de Gayatri Devi) que se recusou a aceitar um casamento arrumado e se casou por amor, e Ayesha, (Gayatri Devi) que se opôs as restrições tradicionais e culturais de seu país e ganhou um lugar no Parlamento indiano.
Em uma entrevista exclusiva, antes da morte, ela disse: “Eu tive uma vida muito feliz”. Eu não estou arrependida. Não sou uma pessoa nostálgica. Eu vivo no presente. Eu apenas tento fazer o que posso, quando vejo infelicidade ao meu redor. Por que resmungar sobre coisas que não seguem o seu caminho. Aproveite ao máximo a vida!

Hobbies
Gayatri também foi uma adoradora de eventos esportivos, tendo sido inclusive uma exímia montadora. Ela permaneceu uma ávida seguidora de polo e gostava de criar cavalos de corrida.

Uma lenda nas memórias das mulheres indianas
Em 1943, a beleza de Gayatri foi capturada para sempre por Cecil Beaton, que a fotografou em Jaipur, que passou a ser reconhecido internacionalmente.

Ela tinha o raro tipo de beleza que a seguiu até sua velhice. Sua indiferença com seus olhares óbvios, sua pura simplicidade, junto com sua beleza, ganhou seus amigos em todo o mundo.


Primeira dama Jackie Kennedy (a direita) em vestido de bainha azul e luvas brancas e. Maharani de Jaipur, Gayatri Devi no Polo Ground em uma visita à Índia. Jaipur.

Gayatri era uma pessoa extraordinária que vivia sua própria vida e se recusava a se curvar à sociedade e à pressão que a acompanhava. Apesar de ter nascido em uma vida de riquezas, ela tinha interesse e um forte olhar para os oprimidos e, em seus próprios projetos, fazia a diferença. Um símbolo de beleza, graça e desafio, Rajmata tem sido inspiradora para as gerações vindouras.

Desenvolveu problemas gástricos em Londres e foi internada em um hospital. Ela estava sendo tratada por transtorno gástrico no King Edward’s Hospital, em Londres, e expressou seu desejo de retornar a Jaipur. Gayatri Devi foi embarcada em uma ambulância aérea para Jaipur, Índia. Ela deu entrada no Hospital Memorial de Santokba Durlabhji  em 17 de julho de 2009. Morreu em 29 de julho de 2009, devido a insuficiência pulmonar aos 90 anos.

Gayatri Devi ganhou os seguintes títulos ao longo de sua vida:
1919-1940 : Sua Alteza Princesa Gayatri Devi de Cooch Behar
1940-1949 : Sua Alteza O Maharani de Jaipur
1949-2009 : Sua Alteza Maharani Gayatri Devi

Livros sobre Rajmata Gayatri Devi :

A Princess Remembers: The Memoirs of the Maharani of Jaipur
Data da primeira publicação: 1976
Autores: Santha Rama Rau, Gayatri Devi

Maharanis: The Extraordinary Tale of Four Indian Queens and Their Journey from Purdah to Parliament Hardcover
Data da primeira publicação: December 29, 2004
Autor: Lucy Moore

Certamente, Maharani Gayatri Devi viveu a vida ao máximo. Sem arrependimentos. Talvez não haja outra mulher como ela na história da Índia!

Em depoimento, a princesa Diya Kumari de Jaipur, a filha de Maharaj Bhawani Singh diz: “Será uma lenda eterna. Ela era uma grande influência para as mulheres de Jaipur. Ela era a primeira mulher de substância e estilo de sua geração. O mundo se curvou com a beleza dela. Na verdade, ela era uma princesa do povo”.


……………………

 

*Maharani (definição):
MAHA quer dizer “grande” e RANI quer dizer “rainha”, portanto Maharani é uma Rainha.
Assim eram chamadas as esposas dos marajás que antes de 1947 governavam um terço do território da Índia atual que, além das colônias britânicas, portuguesas (Goa Damao e Diu) e francesa (Ponticherry), incluía 565 reinados. Essas Maharanis viviam nesses reinos, como em verdadeiros contos de fadas, em palácios maravilhosos, com manadas de elefantes, vagões luxuosos, carros chiques, muitas joias e festas indescritíveis.

Apos expulsar os ingleses, Gandhi tornou a Índia um único país, independente. Esses nobres entregaram o poder para essa unificação, mas continuaram com o status da família que vieram. Em Jaipur, por exemplo, a maharani justamente era Gayatri Devi. Mesmo não tendo poder político nessa ocasião da história, ela era adorada pela população de Jaipur e ainda o é até hoje. Atualmente, quando uma mulher é bonita, fina, educada, enfim, tem muitos atributos, os indianos costumam chamá-la de maharani como um valioso elogio.

*****************

Fontes:

Wikipedia.com
www.scoopwhoop.com
www.telegraph.co.uk
www.indiatoday.in

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *